fontebiblioteca-multimidiabuscademografiadicasdownloadeconomia_e_produtividadeeducacaocalendariofonteinfraestrutura_urbana_e_sociallocallogo-longevidade-color logo-longevidade-simbolo-amplogo-longevidade logo-longevidade-simbolologo-longevidade-simbolologo-longevidade logo-longevidadelogo-sesilogo-sesilogo-sesi_new_oldlongevidade-produtividadelongevidade-produtividademenunoticiasplayprevidencia_socialpublicacoessaudesetateste-de-saudevideos

Notícia

Saúde

Gestão da saúde e da qualidade de vida para a longevidade produtiva

O envelhecimento populacional e da força de trabalho, a diminuição da população jovem e a crise do sistema previdenciário vêm lançando desafios para o mercado de trabalho.

Foto: rawpixel.com

Projeções do IBGE (2017) indicam que os trabalhadores permanecerão por mais tempo no mercado de trabalho, cabendo às empresas investimentos em conhecimentos e medidas que assegurem seu bom funcionamento diante das mudanças previstas. É importante que o trabalhador receba apoio ao buscar formas de manter sua qualidade de vida.

Sabe-se que no Brasil, a inversão da pirâmide etária está acontecendo rapidamente e, por isso, exige o desenvolvimento imediato de um plano estratégico. Porém, sabe-se que é essencial não somente aumentar a expectativa de vida, mas também assegurar os anos de boa saúde.

Atualmente no Brasil, as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), principalmente as doenças cardiovasculares, são a principal causa de mortalidade (WHO, 2005). Dados da Brazil-U.S. Business Council (2016) mostram que o envelhecimento populacional contribui para o aumento da incidência de DCNT na população e para a incapacidade para o trabalho. Estima-se que a maior prevalência de DCNT nos grupos mais velhos produza impactos na produtividade em função do aumento do absenteísmo, presenteísmo e da aposentadoria precoce.

Leia também: Como combater o preconceito contra os mais velhos no trabalho

O cenário apresentado exige medidas que propiciem a redução dos fatores de risco que desencadeiam doenças crônicas não transmissíveis, preservando a capacidade para o trabalho e a produtividade. Para tanto, os fatores de risco – ambientais e comportamentais – precisam ser reduzidos, ao mesmo tempo em que os fatores de proteção precisam ser aumentados para garantir que as doenças crônicas e o declínio funcional possam ser minimizados ao máximo. A promoção da saúde, a prevenção, a identificação e o tratamento das doenças precisam ser garantidos em prol do envelhecimento ativo e da longevidade.

Entendendo a necessidade de preparar trabalhadores, empresários para a transição demográfica, o Centro de Inovação Sesi Longevidade e Produtividade dispõe da consultoria Vida e Trabalho, com ênfase na longevidade, que tem como objetivo desenvolver competências pessoais e profissionais do trabalhador, visando a longevidade produtiva e a melhoria dos resultados da organização.

A consultoria ressalta a importância da adaptação do trabalhador, em qualquer etapa da vida profissional, ao ambiente de trabalho em constante transformação. Oferece instrumentos para orientar a autogestão da saúde do trabalhador de forma holística, auxilia na identificação de pontos fortes dos participantes, encorajando o aprendizado contínuo e a gestão da carreira e orienta a elaboração de um plano de vida para o colaborador para os próximos cinco anos.

Entre os resultados esperados estão o aumento do grau de conhecimento sobre temas relacionados à autogestão da saúde, redução de fatores de risco que provocam DCNT e consequente redução de afastamento, incapacidade para o trabalho e custos com saúde.

Saiba mais sobre esta e outras soluções em Longevidade e Produtividade, por intermédio da Plataforma Nacional de Soluções Sesi (http://inovacaosesi.org.br/solucao/longevidade-produtiva/). Inscreva seu desafio!